quinta-feira, 29 de outubro de 2009

E no final assim calado...

Deixei a porta aberta, mesmo assim a campainha tocou.

Gritei: Entre! E ninguém entrou.

Esperei, esperei e o silêncio falou.

Como o silêncio estava por ali permaneci assim.

O telefone tocou, tocou, eu longe demorei, quando cheguei ele parou.

Celular ciumento não identificou.

Voltei! Mudei de canal, mudei de música, mudei o volume.

Carro buzinou. Rua barulhenta.

Carro rebuzinou. Livrei-me dos livros, tropecei na mesa, joelho que já doía doeu mais, sentei, massageei, dor parou, carro andou.

Sozinho. Sem querer, sem conseguir.

Têm coisas que acontecem sem a gente querer, mas de tão bem acontecidas ficam inexplicáveis. Acontecem e pronto. Não adianta dizer, querer explicar, querer entender, não conseguirá! Aconteceu e pronto.

Quando acontece, acontece.

“Olhe esse sorriso, tão indeciso, ta se exibindo pra solidão” (Marcelo Camelo).

6 comentários:

  1. É um texto reflexivo? "Tem coisas que acontecem" acho que é verdade. Mas há coisas que não acontecem porque não deixamos. Mas quando acontecem fora do nosso controle e são coisas boas, são um presente para nossas vidas.

    Gostei de "silêncio estava por aí" é bem original.
    bj

    ResponderExcluir
  2. Talvez só não seja a hora de encontrar, quem sabe um dia a pessoa entre, ligue de novo e decida estacionar...

    ResponderExcluir
  3. é como morar na radial leste, este seu texto

    ResponderExcluir
  4. ótimo texto, como sempre...

    beijo rouge

    Dani

    ResponderExcluir
  5. Daniela Assunção29 de outubro de 2009 18:19

    Ah, se soubesse que a porta estaria aberta, teria entrado... rsrs
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. "De tão bem acontecidas"...concordo. Tem coisas que fazem pensar que nem que fossem por encomenda poderiam ser tão perfeitas, e, no entanto, são obras do mais puro acaso.

    ♪ "Eu não vou mudar, não
    Eu vou ficar são" ♫

    ℓυηα

    ResponderExcluir